Vídeo em destaque

domingo, 28 de julho de 2013

O ambiente que você se submete determina o que você produz!





         A frase que intitula esse post pode parecer trivial, mas não é. Quando penso que o ambiente que nos expomos interfere diretamente em nossa vida, imediatamente vem à minha mente exemplos de pessoas que morreram vítimas de doenças que poderiam ter sido curadas se estivessem no ambiente correto. Também me lembro de pessoas que poderiam ter desenvolvido muito sua fé e sua vida espiritual se estivessem expostas ao conteúdo sólido da Palavra.
         No idioma “evangeliquês”, Deus está em todas as igrejas e não importa qual igreja você faz parte, Ele irá agir em Sua vida. Porém, o que tenho observado em mais de 10 anos de cristianismo é que isso não é verdade. A igreja que você congrega, o ambiente que você se submete e os lugares que você se expõe determina muita coisa em sua vida (Mt 17.1-4; Mc 5.35-42).
Ora, se Deus é o mesmo em todas as igrejas e se Ele se faz presente em todas elas, por que Ele não age da mesma forma em lugares diferentes? Se Deus é o Deus dos tradicionais e dos pentecostais, por que não vemos os mesmos milagres em ambientes diferentes? Se o Deus que servimos, amamos e adoramos é o mesmo Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, por que Ele não faz hoje com a mesma abundância e intensidade os milagres e libertações que fez no ministério de Jesus?
         A resposta é simples: o ambiente é diferente! Creio que o Deus dos tradicionais é o mesmo dos pentecostais, mas creio que a relação dos tradicionais e pentecostais com Deus é diferente! Por Sua Palavra, temos a certeza de que Deus não nos causa nenhuma surpresa desagradável variando Seus princípios e critérios segundo emoções humanas (Nm 23.19; Ml 3.6; Rm 11.29). Sua natureza está acima de qualquer questionamento, mas o que muda são as reações de Deus diante da fé e da incredulidade (Nm 14.20-32; Mc 6.1-6).
Para ficar mais claro o que desejo ensinar, imagine o seguinte exemplo. Suponha que uma dada pessoa esteja doente e ela se depara com 2 irmãos: um teólogo Ph.D. tradicional e religioso e um irmão pentecostal cheio de fé. Então, ela pede oração aos dois por sua cura. Provavelmente, o teólogo Ph.D. tradicional e religioso vai orar da seguinte maneira: “Senhor, se for da tua vontade, que este irmão seja curado, se não, prepara a família dele para sua partida”. Já o irmão pentecostal cheio de fé irá dizer: “Em nome de Jesus eu repreendo, reprovo, anulo e cancelo toda enfermidade. Ordeno que todo mal saia desse corpo. Desfaço as obras do diabo e declaro cura e saúde divina”. Qual destas orações será respondida? Veja a resposta nos seguintes versículos: Mt 10.8; Mc 16.17; Lc 10.17-19; At 1.8; 4.32; 6.8; 8.5-8; 10.38; 14.8-18; Rm 1.16; I Co 2.1-5; Tg 5.14-16.
Agora imagine que uma pessoa enferma faça uma visita na Igreja Mundial do Poder de Deus e visite também uma igreja tradicional na qual se admite que Deus não cura, não liberta, não opera milagres, não opera os dons, etc. Em qual dessas igrejas o doente tem maior probabilidade de ser curado? Obviamente na Igreja Mundial do Poder de Deus! Ora, se é Deus quem faz milagres e não o homem, e se Ele é Deus tanto dos tradicionais quanto dos pentecostais, por que então Ele que é soberano, absoluto e supremo não faz em ambas as igrejas os mesmos milagres com a mesma INTENSIDADE E ABUNDÂNCIA independente das pessoas? Por causa do AMBIENTE (Mt 13.53-58)!!! Você e a igreja em que congrega podem ser responsáveis pela não operação dos milagres de Deus por causa da incredulidade ou por rejeitar os dons na vida daqueles que tem chamado para isso (Lc 4.14-32).
 A transfiguração: Mt 17.1-8

         Caso o leitor não saiba, Deus respeita o posicionamento humano. Se você decidiu não acreditar e não viver no poder sobrenatural que Ele dispõe, então Ele não vai forçar a barra! Cada igreja e cada ministério segue uma linha de pensamento e prática que eles julgam conveniente para si mesmos e que corresponde às suas expectativas pessoais. Se todos os ministérios, igrejas, líderes e pastores tivessem como critério não suas convicções pessoais e subjetivas, mas a Palavra de Deus absoluta, observaríamos uma maior uniformidade em algumas crenças. Portanto, caro leitor, a igreja que você congrega, o ministério que você abraçou e a visão à qual você declarou fidelidade interfere diretamente e de maneira profunda naquilo que é produzido em sua vida (I Sm 16.15-23; II Reis 3.11-15; II Cr 5.11-14). Ou seja, o ambiente que você se submete determina o que você produz! Apesar de Deus ser soberano, absoluto e todo-poderoso, Ele não fará milagres em uma igreja que rejeita a operação dos dons do Espírito Santo.
Ambientes de incredulidade, tradicionalismos e religião, dificilmente promoverão a ação do Espírito Santo nos dias atuais (Mt 13.58; Hb 3.12-19). Ambientes de miséria, medíocres e mesquinhos também afetarão destrutivamente sua vida e desestimularão a prosperidade de Deus em você (Nm 13.31-33; 14.1-4,20-35). Por outro lado, um ambiente no qual Deus se sinta à vontade e onde haja maturidade, fé genuína e fome de Deus, a probabilidade d’Ele agir é muito grande (At 3.1-26; 4.31; 16.25-34). A igreja é a responsável direta pelo ambiente que ela mesma produz. Levando em consideração o Deus que possuímos, é injustificável a igreja viver no fracasso e conviver pacificamente com a derrota, a tragédia, a doença, a miséria, o pecado, etc. Deus não é glorificado na morte, mas na vida. Ele não é glorificado na doença e na enfermidade, mas na cura e na libertação. Ele não recebe glória quando alguém vive em pecado, mas quando anda em santidade. O louvor vai pra Deus não quando você está devendo atrapalhado e bagunçado na vida financeira, mas quando há abundância e você abençoa pessoas em sua volta (Lc 5.1-7).
NÃO SE ILUDA CARO LEITOR! NÃO É QUALQUER IGREJA QUE VALE A PENA FAZER PARTE! Veja o ambiente que você está se submetendo e avalie pela Palavra de Deus se vale a pena estar ali. Essas palavras podem ser duras, mas são verdadeiras. Há igrejas que paralisarão sua vida, atrofiarão sua mente e bloquearão o seu avanço. Deus te quer crescendo, avançando e produzindo pra Ele. Esse crescimento é espiritual, emocional, intelectual, conjugal, familiar, financeiro, ministerial, etc. A igreja pode ser comparada a um fio condutor. Em nossas casas, há fios de cobre embutidos nas paredes pelos quais percorre uma corrente elétrica. Normalmente, quanto mais puro for o fio, melhor se dará a passagem de eletricidade. A igreja é como esse fio pelo qual percorre a unção, a graça, o amor, a fé e os favores de Deus. Quanto menos impurezas, mais correntes de bênçãos flui (II Tm 2.20,21)!
A IGREJA É A RESPONSÁVEL PELA ATMOSFERA E AMBIENTE QUE ELA MESMA PRODUZ! Portanto, quanto mais amor, graça, humildade, santidade, fé e revelação houver na igreja, maior será a probabilidade de Deus agir. Além disso, deve-se destacar que Deus não é centralizador. Seus dons estão distribuídos no Corpo para edificação do próprio Corpo e é somente com a justa operação de cada parte que o agir de Deus se torna pleno. Neste caso, promover um ambiente propício para o agir de Deus envolve estimular os que possuem chamado a atuar no Corpo de Cristo (Lc 4.14-32).
      Antes de concluir, admita que o ambiente não é importante e que Deus por ser soberano, não se submete a nada em relação aos homens. Ele faz o que quer, quando quer, como quer, com quem quer, onde quer e ponto final! Se isto é verdade, por que então  Deus não cura as pessoas nas igrejas tradicionais e por que Ele não estimula uma profunda teologia entre os pentecostais? Por que só presenciamos milagres entre pentecostais e neopentecostais e só temos uma profunda teologia entre os tradicionais? Por que a relação não é recíproca? POR CAUSA DO AMBIENTE!!! Deus é cavalheiro e Ele não vai passar por cima de uma autoridade que Ele mesmo estabeleceu. Se Deus não respeitasse o homem, toda a humanidade já teria HÁ MUITO se convertido ao nosso Senhor Jesus Cristo. Na verdade, a raça humana jamais teria cometido pecado! Um ambiente cheio de fé, amor, perdão, respeito, consideração, misericórdia, compaixão, louvor, sensibilidade, percepção, adoração, oração, etc. certamente é favorável ao agir de Deus. Por outro lado, uma atmosfera de religiosidade, incredulidade, competição, avareza, ambição, exploração, manipulação, etc. é DESFAVORÁVEL ao mover de Deus!
FINALIZANDO: NÃO FAÇA PARTE DE QUALQUER IGREJA! Seja criterioso ao selecionar a sua congregação, o ministério e a visão que você vai abraçar, pois isso vai interferir diretamente em sua vida.

Um forte abraço!

Marconi BS Costa

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Erotização infantil - URGENTE ACORDA BRASIL

















      MAIS UM NOBRE MOTIVO PARA A IGREJA REAGIR E PROTESTAR!!! A EROTIZAÇÃO INFANTIL É UM FATO EM ANDAMENTO EM MUITAS ESCOLAS DO PAÍS. OS PAIS ESTÃO SENDO ENGANADOS E LUDIBRIADOS. ACORDA IGREJA! NOSSOS FILHOS PRECISAM DE PROTEÇÃO. VEJAM OS VÍDEOS, DIVULGUEM E SE PREPAREM PARA REAGIR NAS URNAS!!! SE FICARMOS INDIFERENTES AGORA, COLHEREMOS FRUTOS TERRÍVEIS DEPOIS.

Ex-bbb considera baixo o salário de deputados






quarta-feira, 10 de julho de 2013

GENIAL: cientista político prova que o catolicismo é o culpado pela tragédia brasileira



        Num momento em que o país vive um de seus mais belos e marcantes episódios, o cientista político Alberto Carlos Almeida esclarece irrefutavelmente que o culpado pela tragédia brasileira é o catolicismo. Uma vez que a educação é a base para o desenvolvimento da espécie humana, o catolicismo representa um retrocesso violento para qualquer nação por evitar que a população tenha acesso aos estudos. Graças a Deus as tradições católicas e protestantes são diametralmente opostas e resultaram em países com níveis de desenvolvimento diferentes. Em sua origem, o protestantismo se preocupou e se dedicou em educar a população para que esta pudesse ler a Bíblia e não fosse vítima da manipulação e exploração dos religiosos. Essa tradição protestante não tem a mesma força hoje, mas tal diferença explica muito bem porque países católicos são subdesenvolvidos e nações protestantes são avançadas. Vale a pena ver o vídeo várias vezes!!!


  Alberto Carlos Almeida prova que o catolicismo é o culpado pela tragédia brasileira  


O melhor aspecto relacionado a este vídeo se divide em dois: primeiro, quem está falando não tem nenhum compromisso com os protestantes e nem com os evangélicos; segundo, o pesquisador é cientista político e aborda FATOS, não ideias e nem hipóteses! Ou seja:      a tragédia brasileira se resume nisto, na FALTA DE EDUCAÇÃO DO ‘POVÃO’. E o responsável por esta tragédia em nosso país e em muitos outros, é o catolicismo. Obs.: A APRESENTADORA MUDOU DE ASSUNTO RAPIDAMENTE NO VÍDEO. Um tema dessa natureza deveria ter sido AMPLAMENTE EXPLORADO durante o debate. Porém, qual jornalista brasileiro em sã consciência vai querer admitir em rede nacional que o responsável pelo progresso foi o protestantismo (em muitas nações do mundo), e o responsável pelo fracasso foi o catolicismo? Ou seja: vivemos numa sociedade que anseia pela verdade, mas odeia aqueles que a dizem! 
Lamentavelmente recebemos a pior herança que uma raça pode desejar: o desprezo à educação. A cultura do ‘povão’, infelizmente, se concentra em: futebol, carnaval, novela e nádegas! Imbecilizar o povo foi a missão do catolicismo pois se concentrou em educar apenas a elite, e nós brasileiros fomos vítimas dessa desgraça. Em breve, muito em breve, acredito que o Brasil terá um presidente que coloque o compromisso com Deus e com Sua Palavra acima de seu compromisso com sistemas políticos ou religiosos. Este influenciará espiritualmente o país e os efeitos serão refletidos diretamente no investimento em educação, no combate implacável à corrupção, na transparência, na saúde, na geração de emprego, na qualidade de vida do povo brasileiro, etc. Quem sabe neste momento o caráter protestante de Martinho Lutero dará ao Brasil tudo que o catolicismo impediu que o país tivesse: DIGNIDADE.

ACORDA BRASIL!!!

Deus abençoe o Brasil!

Um abraço a todos.

Marconi BS Costa

segunda-feira, 8 de julho de 2013

O manifesto brasileiro!


        

         Após as ondas de protesto que acordaram a nação, devemos pensar no que o povo brasileiro deve fazer agora. A pergunta inevitável é: Qual o próximo passo a ser tomado? O que deve ser feito? Mais protestos ou o retorno ao silêncio e à indiferença? O que devemos exigir das autoridades? Qual rumo devemos tomar para não tornar ineficientes os protestos realizados?
         Dou aqui a minha opinião. O povo brasileiro deve elaborar um documento suficientemente detalhado com todas as reivindicações que ele exige para que os seus “representantes” cumpram. Esse documento deve conter além das reivindicações, prazos e metas bem definidos. As reivindicações são muitas:


- Redução do número de deputados (500 para 150)
- Investir no mínimo 10% do PIB em educação
- Reforma política!
- CPI da copa, dos transportes e dos planos de saúde
- Congelamento dos salários dos nossos “representantes” e permitir aumento só com a aprovação do povo brasileiro
- Exigir transparência ABSOLUTA nos gastos e investimentos do dinheiro público
- Obrigar (por força de lei) todos os filhos de deputados, senadores, prefeitos, vereadores, governadores, etc. a estudar em escola pública
- Obrigar (por força de lei) todos os nossos “representantes” a usar a saúde pública
- Exigir carga horária de 40 horas semanais de todos os nossos “representantes” nas três esferas: federal, estadual e municipal
- Combate implacável, incansável e irrestrito contra a corrupção
- Etc.
       
  
          A lista deve ser elaborada pelo povo brasileiro sem nenhuma representação partidária nem institucional. Já está suficientemente claro que nenhum partido e nenhuma instituição trabalham em favor do povo brasileiro, o foco são seus próprios interesses. Portanto, o povo brasileiro é o seu próprio representante legítimo nesse momento. O documento deve conter prazos e metas bem definidos. Assim, após apresentar o documento aos nossos “representantes”, se as reivindicações forem ignoradas, então a nação deve retornar às ruas e fazer protestos no mínimo 1 vez por semana. Parar o Brasil para acabar com a corrupção é um motivo mais do que suficiente, satisfatório e justificável. É o mínimo que se pode fazer. A indiferença e o silêncio é uma atitude covarde que contribuirá apenas pela perpetuação de um sistema apodrecido. No cenário atual, quem deve tomar as decisões em favor do povo brasileiro é o próprio povo brasileiro e não seus “representantes”. Devemos ter nesse país uma nova forma de fazer política onde o povo brasileiro tenha total participação nas decisões e não seja alienado. Se o povo não tem o preparo adequado para essa nova realidade, a reivindicação que exige investimento de 10% do PIB em educação poderá resolver essa deficiência.

ACORDA BRASIL!!!

Deus abençoe o Brasil!

Um abraço a todos!

Marconi BS Costa

ex-BBB Jean Wyllys diz que salário de deputado no valor de R$ 26.723,13 não é alto!




        O ex-BBB Jean Wyllys afirmou durante uma entrevista que o salário dele como parlamentar é igual ao que recebia como professor universitário antes de se eleger, e que por isso, não considera a remuneração “excessiva”.
As declarações foram dadas ao jornalista Marcelo Tas, durante o programa Tas Ao Vivo, no portal Terra, na última quinta-feira. Wyllys disse que com os descontos de Imposto de Renda e Contribuição Partidária, seu salário líquido é de R$ 15 mil. “Eu não acho que [o salário de um deputado] seja excessivo”, afirmou, antes de concluir dizendo que a população deveria se queixar dos vencimentos que os grandes executivos recebem de empresas privadas.
No Twitter, diversos cristãos se incomodaram com as declarações de Jean Wyllys, e reclamaram dos argumentos usados pelo deputado para defender a ideia de que o salário de um parlamentar – R$ 26.723,13 segundo o site da Câmara dos Deputados – não seja excessivo.
Em resposta, Wyllys afirmou que os cristãos não deveriam se preocupar com o salário dos deputados, mas sim com os pastores: “Nunca vi, em minha TL, ‘cristãos’ tão preocupados com o salário de um deputado, mas não com os lucros obscenos de seus pastores!”, atacou.
Como o assunto cresceu nas redes sociais, alguns internautas foram investigar o uso que o deputado Jean Wyllys faz da verba recebida por ele para uso com o gabinete. Entre os gastos apresentados por ele à Câmara dos Deputados, estão o custeio de refeições à beira da praia, cafés em aeroportos e até R$ 200,00 gastos numa churrascaria.
“O cara tem um salário de 26 mil reais, 1,2 milhão em uma legislatura, descontando os impostos, são 720 mil livres. Ele com auxílio moradia ou residência oficial, etc, auxílio paletó, ainda faz a gente pagar reembolso de gasto em restaurante dele”, reclamou Leonardo Lopes.
Já o site Reaçonaria publicou detalhes de outras despesas, como transporte, e apresentou o uso de R$ 4 mil do dinheiro público para locação de carros, além de uma corrida de táxi sem nota fiscal.
Jean Wyllys classificou o assunto como distorção de suas palavras e disse que nenhuma campanha difamatória contra ele seria bem sucedida. “Os difamadores burros já deveriam ter aprendido que não adianta me difamar nas redes sociais, deturpando minhas palavras em entrevistas. Quem acredita na difamação é gente mal informada ou de má fé, ou seja, gente que já não vota em mim, me odeia e acredita na difamação… Além disso, tentar me difamar para que meia dúzia de gente estúpida e homofóbica me insiste em minhas redes é perda de tempo. Sou imune! Não desperdicem seu tempo, difamadores e asseclas. Procurem estudar, ler livros, expressar-se bem na língua escrita. É melhor! Gente que entra em histeria a partir de deturpações nas redes sociais apenas evidencia o quão pode ser manipulada; e destila ódio à toa”, escreveu o deputado.

sábado, 6 de julho de 2013

Senador Cristóvam Buarque defende o fim dos partidos políticos brasileiros




O Senador Cristóvam Buarque, do PDT-DF, iniciou seu discurso em plenário, no dia 21 de junho, criticando o vazio que predominava na sessão, mesmo em meio a manifestações por todo o Brasil, o que poderia ser uma evidência da desídia de seus "colegas" para com a população.
 Em seguida, afirmou: "Eu me entristeço muito por não poder ir às passeatas. (...) É triste você ser representante do povo, ter recebido tantos votos e, pelo fato de ser um político, não ser visto como um deles"
Comentou livro escrito anteriormente pelo mesmo e prosseguiu analisando as motivações dos manifestantes. "Melhorar a educação, são uns, acabar com a PEC 37, são outros, acabar com a corrupção, são outros. Mas o que unificaria todos? (...) Acredito que para fazer o que eles querem, precisaríamos de uma lei contra 32 letras: 'São abolidos os partidos'. Isso sensibilizaria a população lá fora. Nada os unifica mais que a ojeriza, a crítica aos partidos políticos. Talvez seja a hora. E vamos trabalhar para saber o que a gente põe no lugar, se a gente põe no lugar outros partidos ou outra coisa".


Senador Cristóvam Buarque. Imagem: Reprodução


         Após comentários à postura da ex-senadora Marina Silva, comentou: "Nossos partidos não refletem mais o que o povo precisa com os seus representantes, nem do ponto de vista do conteúdo, nem do ponto de vista da forma. Não estamos incorporando os problemas da contemporaneidade. (..) Nós falamos em aumentar o PIB e não em aumentar o bem-estar, falamos em mais carros e não em melhorar o transporte. Falamos em cidadania e não em florestania ou em planetania, como costumo defender, que é um salto adiante, colocando todas as florestas e populações juntas, numa visão comum de todo o planeta. Ficamos velhos nas propostas e ficamos velhos nas formas.” 
Comentou, outrossim, a importância da internet e da velocidade presente na Era da Informação. Além disso, defendeu o voto avulso para a Assembleia Constituinte Extraordinária e emergencial. "Não há manifestação de um milhão de pessoas em um dia que não exija uma revolução". Defendeu as manifestações, afirmando que "baderneiros" seriam uma exceção. "Esse não era o espírito, o espírito era de um milhão de brasileiros críticos do que acontece hoje no Brasil". Declarou que Dilma deveria reconhecer os erros e a falência de como os políticos estão fazendo políticas, erros ao buscar acordos e não consenso, entre outros. "Errou, entre muitos erros, em levar à frente a prioridade da Copa, enquanto o país não tem nem condições de prover segurança para os turistas. Errou nos acordos e alianças com pessoas que têm fama de imoralidade e corrupção (...) Isso é prova de que ou não se quer combater a corrupção ou de que o serviço de informações do governo é precário, de modo que se tenha de saber pelos meios de comunicação que há ministros por perto. Temos de atender a uma política para o povo, uma política que os represente, que os dê orgulhe, precisamos de uma revolução".

"Povo tem razão: os atuais partidos fracassaram. Nunca pensei que os partidos tivessem tantos defensores. Só apanhei e muito por dizer que os atuais partidos precisam ser abolidos", escreveu em seu twitter após a declaração no Plenário.

Lígia Ferreira é analista de sócio-mecanismos.

Dúvidas sobre o sexo anal?



       

         O vídeo abaixo é capaz de dirimir qualquer dúvida existente a respeito dessa prática. Apesar da imagem não ter qualidade satisfatória, as informações apresentadas encerram definitivamente o debate sobre o tema. E olha que a médica Anete Guimarães sequer usou a Bíblia, ela se deteve no aspecto anatômico da questão. Parabéns a Anete Guimarães pela iniciativa de abordar o tema com tanta propriedade! Esse é um clássico exemplo que destaca a enorme diferença entre um profissional (a médica Anete Guimarães) e um amador (toda a mídia que apoia e estimula essa prática).

Anete Guimarães fala sobre sexo anal

quinta-feira, 4 de julho de 2013

Joaquim Barbosa presidente!


COMPARTILHE ESSA IDEIA!!!



 

 
         Antes de sua nomeação para o Supremo Tribunal Federal, o Ministro Joaquim Barbosa exerceu vários cargos na Administração Pública Federal. Foi membro do Ministério Público Federal de 1984 a 2003, com atuação em Brasília (1984-1993) e no Rio de Janeiro (1993-2003); foi Chefe da Consultoria Jurídica do Ministério da Saúde (1985-88); foi Advogado do Serviço Federal de Processamento de Dados SERPRO (1979-84); foi Oficial de Chancelaria do Ministério das Relações Exteriores (1976-1979), tendo servido na Embaixada do Brasil em Helsinki, Finlândia; foi compositor gráfico do Centro Gráfico do Senado Federal.

Paralelamente ao exercício de cargos no serviço público, manteve estreitas ligações com o mundo acadêmico. É Doutor e Mestre em Direito Público pela Universidade de Paris-II (Panthéon-Assas), onde cumpriu extenso programa de doutoramento de 1988 a 1992, o qual resultou na obtenção de três diplomas de pós-graduação. Cumpriu também o programa de Mestrado em Direito e Estado da Universidade de Brasília (1980-82), que lhe valeu o diploma de Especialista em Direito e Estado por essa Universidade. 

É Professor licenciado da Faculdade de Direito da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), onde ensinou as disciplinas de Direito Constitucional e Direito Administrativo. Foi Visiting Scholar (1999-2000) no Human Rights Institute da Columbia University School of Law, New York, e na University of California Los Angeles School of Law (2002-2003).

É assíduo conferencista, tanto no Brasil quanto no exterior. Foi bolsista do CNPq (1988-92), da Ford Foundation (1999-2000) e da Fundação Fullbright (2002-2003).

É autor das obras “La Cour Suprême dans le Système Politique Brésilien”, publicada na França em 1994 pela Librairie Générale de Droit et de Jurisprudence (LGDJ), na coleção “Bibliothèque Constitutionnelle et de Science Politique”; “Ação Afirmativa & Princípio Constitucional da Igualdade. O Direito como Instrumento de Transformação Social. A Experiência dos EUA”, publicado pela Editora Renovar, Rio de Janeiro, 2001; e de inúmeros artigos de doutrina.

Nasceu em Paracatu, MG, onde fez os estudos primários no Grupo Escolar Dom Serafim Gomes Jardim e no Colégio Estadual Antonio Carlos. Cursou o segundo grau no Colégio Elefante Branco, de Brasília. Fez também estudos complementares de línguas estrangeiras no Brasil, na Inglaterra, nos Estados Unidos, na Áustria e na Alemanha.







MUDA BRASIL!!!