Vídeo em destaque

sexta-feira, 28 de junho de 2013

A falência dos partidos!



Recentemente, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, criticou os partidos brasileiros afirmando que estão “desgastados” e “sem credibilidade”. Joaquim Barbosa expressou de maneira precisa o sentimento do povo e a realidade dos fatos. Não temos representatividade em nenhuma esfera do poder (federal, estadual, municipal). Como afirmei em outro post, o compromisso dos nossos “representantes” não é com o povo brasileiro nem com a justiça, dignidade e honestidade. A prioridade deles é apenas a perpetuação e ampliação de seus partidos no poder. É justamente por esta razão que presenciamos o completo abandono da educação. Este abandono não é acidental, é proposital. Um povo devidamente educado e culto é capaz de promover uma profunda mudança em sua pátria.
Mesmo não na plenitude, vivemos numa democracia que nos permite desenvolver e usar mecanismos que evitem o povo ser oprimido pelos caprichos de seus “representantes”. Dentre estes mecanismos, o voto e o protesto nas ruas estão sendo cruciais para o Brasil neste momento. A melhor forma de garantirmos um país melhor é exigindo o que a constituição e a democracia nos garantem: participação popular nas decisões políticas, transparência, constante vigilância dos seus “representantes” pelo povo, reforma política, intenso combate à corrupção, investimento pesado em educação, etc. A LISTA É ENORME!!! Além disso, esse processo NÃO TEM FIM! Mesmo que os atuais protestos no Brasil transformem o país para melhor, ainda assim o povo deve permanecer atento, vigilante e participativo, sem jamais baixar a guarda. Não se iluda o cidadão pensando que depois de causar uma revolução, devemos descansar. A corrupção é um câncer a ser combatido CONTINUAMENTE e INCANSAVELMENTE.



Agora mesmo, o atual governo (PT) está tentando ludibriar a população propondo um plebiscito para a reforma política. Essa estratégia direciona a atenção do povo para uma “solução” emergencial. Estão colocando panos quentes na absoluta INSATISFAÇÃO nacional. O que o PT pretende com isso é assegurar sua posição nas eleições do próximo ano. Além de uma PROFUNDA reforma política, o povo brasileiro exige uma postura agressiva dos seus “representantes” para combater a corrupção, investir pesado em educação, trazer todas as contas públicas à completa transparência, instalar a CPI da copa e dos transportes, etc. A lista de reivindicações é gigantesca! Qual partido que estivesse no poder teria coragem e condições morais de atender às reivindicações da população? É justamente por isso que nos protestos atuais por todo o país, a população rejeitou completamente a presença de bandeiras partidárias. Nesse momento, a única oposição dos corruptos é o povo brasileiro e a única bandeira a ser erguida é a do Brasil.
A completa falência dos partidos me faz pensar que precisamos de outro modelo de governo, no qual fossem impossíveis acordos partidários que buscassem seus próprios benefícios e não o do povo. Infelizmente, não conheço outro modelo, mas creio que inserindo a participação popular e mantendo total transparência nas decisões, já seria um começo. E mesmo que outro modelo não seja aplicado, se o povo permanecer atento e reagir nas ruas e nas urnas sempre que for vítima dos corruptos, teremos algum proveito.




Um abraço a todos.

Marconi BS Costa

quarta-feira, 26 de junho de 2013

FIFA tira onda com o povo brasileiro!!! ASSISTA






Conquistas à vista!





        O texto abaixo eu recebi por e-mail e achei genial. As atuais conquistas do povo brasileiro ainda são irrisórias diante dos enormes desafios da nação. Além dos aspectos citados abaixo, há diversos outros que necessitam ser mencionados e devem ser colocados em pauta nos protestos. O país pode conquistar muita coisa nessa onda que toma conta da nação. Reforma política, intenso combate à corrupção, educação e saúde pública de qualidade, transparência, reforma agrária e tributária, são exemplos de metas a serem alcançadas pelo povo. Além disso, talvez seja esse o momento de termos o primeiro presidente comprometido com o Senhor Jesus Cristo. ACORDA BRASIL!!!

e-mail que recebi

Lei de Reforma do Congresso de 2011 (emenda à Constituição) PEC de iniciativa popular: Lei de Reforma do Congresso (proposta de emenda à Constituição Federal)

1º O congressista será assalariado somente durante o mandato. Não haverá ‘aposentadoria por tempo de parlamentar’, mas contará o prazo de mandato exercido para agregar ao seu tempo de serviço junto ao INSS referente à sua profissão civil.
 
2º O Congresso (congressistas e funcionários) contribui para o INSS. Toda a contribuição (passada, presente e futura) para o fundo atual de aposentadoria do Congresso passará para o regime do INSS imediatamente. Os senhores Congressistas participarão dos benefícios dentro do regime do INSS exatamente como todos outros brasileiros. O fundo de aposentadoria não pode ser usado para qualquer outra finalidade.

3º Os senhores congressistas e assessores devem pagar seus planos de aposentadoria, assim como todos os brasileiros.

4º Aos Congressistas fica vetado aumentar seus próprios salários e gratificações fora dos padrões do crescimento de salários da população em geral, no mesmo período.

5º O Congresso e seus agregados perdem seus atuais seguros de saúde pagos pelos contribuintes e passam a participar do mesmo sistema de saúde do povo brasileiro.

6º O Congresso deve igualmente cumprir todas as leis que impõe ao povo brasileiro, sem qualquer imunidade que não aquela referente à total liberdade de expressão quando na tribuna do Congresso.

7º Exercer um mandato no Congresso é uma honra, um privilégio e uma responsabilidade, não um uma carreira. Parlamentares não devem servir em mais de duas legislaturas consecutivas.
 
8º É vetada a atividade de lobista ou de ‘consultor’ quando o objeto tiver qualquer laço com a causa pública.


          Além das propostas citadas acima, poderíamos incluir diversas outras muito úteis para o povo brasileiro. Por exemplo, poderíamos ter um projeto de lei que obrigasse os filhos dos congressistas a estudar em escola pública. Outro projeto poderia eliminar todas as regalias absurdamente desnecessárias, tendo em vista os enormes salários ganhos. Infelizmente, nossos “representantes” não trabalham pelo povo brasileiro, eles trabalham pelo bem de seus próprios partidos. Em todas as esferas (municipal, estadual e federal), a prioridade deles é a perpetuação dos partidos no poder. Precisamos de uma reforma na estrutura política do país que mantenha nossos “representantes” sob constante vigilância do povo. ACORDA BRASIL, chegou a tua vez!



Um abraço a todos!

Marconi BS Costa

Dilma ignora os evangélicos!






Recentemente, a presidente Dilma se reuniu com representantes da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) da igreja católica e com vários seguimentos da sociedade, incluindo o Movimento Passe Livre e a OAB. Por ter ignorado completamente a comunidade evangélica, o pastor Silas Malafaia ficou aparentemente muito incomodado e surpreso. Não é nenhuma novidade que o PT está declaradamente contra a igreja evangélica. O que me espanta nesse episódio é a reação do pastor Silas. É sabido que a onda de protestos recentes ocorridos no país não contou com a simpatia de quase nenhum líder evangélico de expressão. A maioria se posicionou contra, mesmo sabendo que os atos de violência foram reprovados por quase todos os manifestantes. Logo, por que então a presidente convidaria os evangélicos para uma reunião dessa natureza? Se o assunto em questão fosse casamento gay, aborto, liberdade de expressão e liberdade religiosa, talvez a presidente convidasse os crentes, mas para assuntos como combate à corrupção, uso correto dos impostos, transparência, etc. não precisa convidar!

Normalmente, a igreja evangélica brasileira só participa de alguma manifestação pacífica que lhe garanta benefícios diretos explícitos. Se o objetivo do protesto beneficiar diretamente o povo brasileiro, mas não garantir nenhuma vantagem significativa para a igreja, então a igreja não se envolve. Se os protestos nas ruas fossem contra o casamento gay e aborto, então a liderança evangélica aprovaria, mas como é contra a corrupção e a favor da transparência, então os líderes crentes reprovam. Portanto, Dilma não se sente na obrigação de ouvir o que a igreja tem a dizer.

Infelizmente, no meio cristão a alienação é tida como algo benéfico e espiritual e as pessoas não são incentivadas a se informarem. Entre os evangélicos há um quase completo desestimulo por uma formação acadêmica de qualidade. Parece que o temor dos políticos de ter uma nação inteligente capaz de questioná-los é o mesmo de muitos líderes cristãos. Imagina só se a igreja entra na onda dos protestos e começa a exigir que seus líderes tenham transparência (no uso do dinheiro e nas decisões), combatam a corrupção e o nepotismo, não sejam arbitrários nem intolerantes, não manipulem a Bíblia e nem informações sobre fatos, etc. Particularmente acredito que os líderes evangélicos não estão preocupados com uma possível violação de princípios bíblicos nos protestos que tomaram conta do país. Creio que o maior temor deles é que as mesmas exigências que estão sendo feitas nos protestos sejam feitas na igreja!


Um abraço a todos.

Marconi BS Costa

Quando orar pelo Brasil não esqueça:



 


- ore para Deus varrer desta nação toda corrupção e todo corrupto! Há séculos sabemos que o câncer que devora este país e o impede de avançar é a corrupção, portanto, esse câncer deve ser extirpado!

- ore para Deus fazer justiça e juízo ao pobre, aflito e necessitado

- ore para Deus levantar homens e mulheres designados por Ele para estabelecer o governo dos justos

- ore para Deus usar os protestos mais recentes em favor do povo brasileiro

- ore para Deus despertar a igreja para agir e reagir como igreja e como cidadã

- ore para Deus despertar na igreja uma profunda intercessão movida não pelo desespero, mas pelo amor

- ore para Deus despertar no povo fome e sede de justiça

- ore para Deus destruir desta nação os 5 pilares do inferno: corrupção, miséria, idolatria, feitiçaria e prostituição

- ore para Deus despertar a inteligência do povo brasileiro

Um abraço a todos.

Marconi BS Costa

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Indiferença ou participação?



       


        Qual deve ser o papel da igreja nesse importante cenário para o país? Diante dos atuais protestos que ocorrem na nação brasileira, a igreja deve ficar indiferente ou participar? A igreja deve participar como igreja ou como cidadã? Antes de responder essas perguntas com minhas próprias palavras, quero relembrar um texto já publicado aqui no PV. Julgo apropriado divulgá-lo por que ele responde com maestria alguns destes questionamentos. Eu intitulei o texto de O Preço da Indiferença:

“Quando os nazistas vieram buscar os comunistas,
eu fiquei em silêncio;
eu não era comunista.

Quando eles prenderam os sociais-democratas,
eu fiquei em silêncio;
eu não era um social-democrata.

Quando eles vieram buscar os sindicalistas,
eu não disse nada;
eu não era um sindicalista.

Quando eles buscaram os judeus,
eu fiquei em silêncio;
eu não era um judeu.

Quando eles me vieram buscar,
já não havia ninguém que pudesse protestar."

Martin Niemöller
(14/01/ 1892 – 06/03/1984)
pastor luterano alemão


Após a leitura do texto acima, vamos imaginar uma situação hipotética, porém plausível. Imagine que houvesse um projeto de lei em tramitação na Câmara ou no Senado que exigisse das igrejas o pagamento de impostos e fiscalização de todo dinheiro arrecadado. Suponha também que como reação a igreja conclamasse um protesto pacífico para todos irem às ruas. Agora imagine que nesse protesto convocado pela igreja, vândalos, arruaceiros e anarquistas se infiltrassem e fizessem a mesma baderna que foi feita pelo país nos protestos atuais. Qual seria a reação da liderança evangélica brasileira? Reconheceria como ilegal todo o protesto ou separaria o trigo do joio? Julgariam e condenariam todos do protesto ou só aqueles responsáveis pela baderna?
A igreja não é apenas igreja, ela também é cidadã e nossa cidadania não é exercida somente nas eleições, mas também em manifestações pacíficas. A igreja parece usar dois pesos e duas medidas em sua postura. Se os protestos são convenientes e se ela pode tirar alguma vantagem disso, então a igreja apoia. Porém, quando não há nenhuma vantagem explícita da qual a igreja institucionalizada possa usufruir, então ela ignora e até rechaça protestos exemplares. De fato, dou nota 10 para o que presenciei no Recife e nota 0 para os vândalos, mas as ações de vandalismo não apagam a beleza do protesto.
Recentemente, o pastor Silas Malafaia convocou a igreja para uma manifestação pacífica em Brasília. A data e o horário do evento coincidiam com uma quarta-feira à tarde em pleno horário de trabalho. Esse detalhe foi destacado várias vezes pelo pastor Silas: em pleno expediente, o povo convocado compareceu, sem restrições. Ora, que reação teria o mesmo pastor Silas por uma manifestação que não trouxesse nenhum ganho explícito para a igreja e coincidisse com o horário do culto? Imagine também que tal manifestação trouxesse benefícios diretos para o povo brasileiro, mas não para a igreja institucionalizada, o que ele diria? Devo lembrar que na convocação do pastor Silas não eram convidados apenas cristãos, mas qualquer cidadão brasileiro que simpatizasse com a causa. Por que então a igreja deve ficar indiferente aos apelos relevantes da sociedade? Temas como combate à corrupção, educação, saúde, segurança, etc. foram recorrentes nos protestos recentes, mas mesmo assim muitos líderes cristãos preferem condenar o movimento. Veja como somos incoerentes!
No quesito cidadania, a igreja precisa evoluir consideravelmente para não cometer injustiças camufladas de espiritualidade.

Um abraço a todos.

Marconi BS Costa

O analfabeto político







Bertold Brecht
O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas.
O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que, da sua ignorância política, nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais.

        O alfabetismo político não se resume a saber votar. Não adianta reagir nas URNAS se não há candidatos e partidos comprometidos com a verdade, justiça e com o povo brasileiro. A estrutura do nosso país exige várias reformas: política, tributária, agrária, judiciária, etc. Portanto, os protestos nas RUAS são tão eficientes quanto os votos nas URNAS sim. A função do protesto não é fazer badernas, é vigiar o país e sempre que necessário, ir pras ruas mostrar nossa insatisfação. E para que as urnas sejam de fato instrumentos de mudança, só há uma saída: apresentarmos candidatos e partidos segundo nossas reivindicações! Não adianta afirmar que as urnas resolverão, pois se mudarmos os candidatos e partidos e eles também nos decepcionarem, devemos voltar pras RUAS e reagir nas URNAS novamente. Esse processo não tem fim! Quem acha que isso é estático, se engana. Cada um tem o seu papel: o protesto nas ruas, o voto nas urnas e o lançamento de novos partidos e candidatos. Isso deve se repetir indefinidamente, sempre que for necessário. ACORDA BRASIL!!! CHEGOU A HORA DE ACABAR COM O ANALFABETISMO POLÍTICO!!!


        Mesmo votando e reagindo nas urnas, não há uma garantia absoluta de que contemplaremos uma mudança na nação. Votar em pessoas honestas e justas não significa que elas não serão corrompidas pelo sistema. Ou seja, mesmo votando e elegendo candidatos honestos, ainda assim o povo deve permanecer ativamente vigilante, pois se nossos representantes se corromperem, a gente retoma o protesto e reage nas urnas. ISSO NÃO TEM FIM!!! O povo deve estar permanentemente vigiando seus representantes e em contato com a política. Por isso o protesto nunca será obsoleto. Por isso devemos deixar de ser analfabetos políticos! ESSE É O MOMENTO!!! Em 2014, teremos eleições, e nossos ilustríssimos candidatos já estão sabendo que há um povo pronto, organizado e capaz de reagir se for necessário. No próximo ano nosso protesto continua, mas dessa vez nas urnas! E ainda que o resultado das urnas não corresponda às nossas expectativas, a força do protesto deixa claro que pode ser tão eficiente quanto o voto!
        Já há no Brasil alguns movimentos que apontam para uma mudança de postura, por exemplo, o governo dos justos (clique aqui), o EXPOSED 2013 (clique aqui) e o ranking dos políticos (clique aqui). Há muitas outras que não menciono aqui, mas estas servem para exemplificar que o país está reagindo. Iniciativas similares precisam e devem ser alimentadas para ganhar força no país e vermos a mudança que tanto queríamos ver. Esse processo é longo e complexo, mas possível.
        Se protestos são inúteis, então vamos deixar a marcha pra Jesus de lado e quando um pastor fizer uma convocação nacional para irmos à Brasília, então não vamos mais. Se protestos não são úteis, então a igreja não pode querer protestar contra casamento gay e aborto, e nem a favor da liberdade religiosa e de expressão. Se protestos são tão inúteis, Martinho Lutero foi o pior protestante que já houve na história da igreja. ACORDA BRASIL, CHEGOU A HORA DA MUDANÇA!


Um abraço a todos!

Marconi BS Costa

PADRÃO FIFA DE QUALIDADE ou Um outro olhar sobre as manifestações



    Confesso que estava com medo e receoso. Depois de ver tanta violência exibida na TV, pensei que seria trágico participar da passeata desta quinta-feira em Recife (20/06/2013), promovida pelo Movimento Passe Livre. Cheguei lá por volta das 18hs. O que presenciei? Segue as imagens abaixo! Elas falam por si mesmas. Veja também os vídeos!!! Tire suas próprias conclusões e não seja ludibriado pela mídia sensacionalista.


Um bom recado para o país!




  Para quem acha que só havia jovens, veja este nobre senhor com seu cartaz!




Um bom recado para o mundo!





Esse é o melhor refrão que ouvi nos últimos 10 anos!

DA COPA EU ABRO MÃO
A GENTE QUER DINHEIRO PRA SAÚDE E EDUCAÇÃO!!!




Um bom recado para o povo!



Exemplo de cidadania!




Nossa juventude está mudando!



Exemplar!





Jovens cantam o hino nacional!





Resposta a Ronaldo "Fenômeno"!





  APOIADO!!!




Precisamos de educação, saúde, emprego, saneamento....





REAGE BRASIL!!!




CHEGOU A HORA DA ALFABETIZAÇÃO POLÍTICA!!!




VALEU FÁTIMA!!!
Somente Fátima Bernardes mostrou a verdadeira essência do movimento, os demais programas jornalísticos só mostraram os focos de violência que foram poucos. Se todos os manifestantes estivessem lá para causar desordem, revolta e anarquia, a cidade não estaria de pé! Foram mais de 50 mil manifestantes em Recife e mais de 1 milhão em todo o país, cada um levando a bandeira do seu protesto! Parabéns Brasil!



Um abraço a todos!

Marconi BS Costa

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Vale a pena ler de novo!


         Levando em consideração os mais recentes acontecimentos em nosso país, me lembrei de um texto já publicado aqui no blog PV. É um dos textos mais extraordinário que já li e penso que se adequa perfeitamente à atual comoção nacional. Antecipo que sou contra qualquer tipo de violência e vandalismo, mas devo ressaltar que toda esta onda de violência não pode der encarada exclusivamente sob os olhos da repressão. Devemos tentar compreender as razões e os motivos por trás de tanta revolta, antes de emitir nossa sentença. O texto a seguir (em vermelho e itálico) poderá ajudá-lo a compreender meu ponto de vista sobre a questão. Segue também alguns links úteis que contribuirão para o debate.

Acredito que essa ocasião pode ser marcante para o país. Num momento em que se realiza a copa das confederações, os protestos em andamento pela redução das passagens pode se tornar algo bem maior e mais eficiente. Educação, saúde, segurança, emprego, combate à corrupção, etc. são temas que podem ser facilmente incorporados no processo. O país precisa de mudança e quem sabe ela já não está a caminho. O governo dos justos à vista!

PROVOCAÇÕES
Luis Fernando Veríssimo

A primeira provocação ele aguentou calado. Na verdade, gritou e esperneou. Mas todos os bebês fazem assim, mesmo os que nascem em maternidade, ajudados por especialistas. E não como ele, numa toca, aparado só pelo chão.

A segunda provocação foi a alimentação que lhe deram, depois do leite da mãe. Uma porcaria. Não reclamou porque não era disso.


Outra provocação foi perder a metade dos seus dez irmãos, por doença e falta de atendimento. Não gostou nada daquilo. Mas ficou firme. Era de boa paz.

Foram lhe provocando por toda a vida.

Não pode ir a escola porque tinha que ajudar na roça. Tudo bem, gostava da roça. Mas aí lhe tiraram a roça.

Na cidade, para aonde teve que ir com a família, era provocação de tudo que era lado. Resistiu a todas. Morar em barraco. Depois perder o barraco, que estava onde não podia estar. Ir para um barraco pior. Ficou firme.

Queria um emprego, só conseguiu um subemprego. Queria casar, conseguiu uma submulher. Tiveram subfilhos. Subnutridos. Para conseguir ajuda, só entrando em fila. E a ajuda não ajudava.

Estavam lhe provocando.

Gostava da roça. O negócio dele era a roça. Queria voltar pra roça.

Ouvira falar de uma tal reforma agrária. Não sabia bem o que era. Parece que a ideia era lhe dar uma terrinha. Se não era outra provocação, era uma boa.

Terra era o que não faltava.

Passou anos ouvindo falar em reforma agrária. Em voltar à terra. Em ter a terra que nunca tivera. Amanhã. No próximo ano. No próximo governo. Concluiu que era provocação. Mais uma.

Finalmente ouviu dizer que desta vez a reforma agrária vinha mesmo. Para valer. Garantida. Se animou. Se mobilizou. Pegou a enxada e foi brigar pelo que pudesse conseguir. Estava disposto a aceitar qualquer coisa. Só não estava mais disposto a aceitar provocação.

Aí ouviu que a reforma agrária não era bem assim. Talvez amanhã. Talvez no próximo ano... Então protestou.

Na décima milésima provocação, reagiu. E ouviu espantado, as pessoas dizerem, horrorizadas com ele:

- Violência, não!


Sobre o(a) autor(a): Luis Fernando Veríssimo
Nasceu em 26 de setembro 1936, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Filho do grande escritor Érico Veríssimo, iniciou seus estudos no Instituto Porto Alegre, tendo passado por escolas nos Estados Unidos quando morou lá.



         Acesse também os links abaixo:

- Exigimos escolas, hospitais, segurança pública, no "padrão FIFA": http://www.change.org/pt-BR/petições/exigimos-escolas-hospitais-segurança-pública-no-padrão-fifa






- http://www.anajure.org.br/exposed-2013/




Um abraço a todos!



Marconi BS Costa

Exigimos escolas, hospitais, segurança pública, no "padrão FIFA"







    
         Os estádios de futebol brasileiros estão agora no "padrão Fifa", o que demandou investimento imenso e obsceno de verba pública. O esplendor dessas arenas esportivas, que emergiram perante os olhos de milhares de brasileiros, contrasta com o estado de penúria das nossas escolas, hospitais, estradas, transporte público, redes de esgoto, presídios, sistema de segurança pública, condições de moradia de milhares pobres.

O povo brasileiro foi atingido na alma ao ver a sétima economia do mundo manifestar vontade política para construir e reformar campos de futebol e não demonstrar o mesmo empenho visando a solução de problemas sociais crônicos, que historicamente têm atravessado todos os governos, e que nos envergonham perante o mundo.

Exigimos que as três esferas do poder executivo brasileiro -Município, Estado e União -, apresentem planejamento transparente seguido de - cronograma tornado público - visando elevar os serviços públicos acima mencionados ao padrão dos países desenvolvidos.

Em suma, queremos democracia associada a justiça social. Anelamos pelo cumprimento da Constituição Federal. Desejamos que os gastos públicos sejam determinados por uma hierarquia de valores, cujo ponto de partida seja o direito à existência digna. Sonhamos em viver num país onde a vida humana tenha valor.