Vídeo em destaque

sábado, 29 de dezembro de 2012

Pv 13.12 – Feliz 2013!



No último post do ano de 2012, quero desejar a todos um excelente 2013! É difícil desejar os votos mais nobres do planeta, então creio que excelente e formidável são palavras que descrevem bem o que eu desejo para todos em 2013!
Porém, isso não é possível vivendo num mundo de fantasia. Há uma verdade que diz “o pessimista reclama dos ventos, o otimista espera que ele mude e o realista ajusta as velas”. A melhor forma de se manter animado, motivado, estimulado, empolgado e entusiasmado não é alimentando fantasias, mas conquistando alvos e metas. Por isso, o versículo para meditação que deixo é Pv 13.12 (RA): A esperança que se adia faz adoecer o coração, mas o desejo cumprido é árvore de vida! Abaixo segue o versículo descrito em algumas traduções que facilitará o entendimento.
Bíblia Viva: Um sonho que nunca se torna realidade acaba enchendo o coração de tristeza mas quando nossos planos se cumprem a vida ganha maior alegria e significado.
NVI: A esperança que se retarda deixa o coração doente, mas o anseio satisfeito é árvore de vida.
NTLH: A esperança adiada faz o coração ficar doente, mas o desejo realizado enche o coração de vida.
Católica: Esperança que tarda deixa doente o coração; desejo que se realiza é árvore de vida.
Corrigida Fiel: A esperança adiada desfalece o coração, mas o desejo atendido é árvore de vida.

Para evitar frustrações, decepções, ilusões e utopias, seja transparente e exija transparências nas relações! Sempre que ouço uma mensagem cujo único objetivo é deixar as pessoas eufóricas e encorajadas fico pensando na real intenção. Algumas pessoas poderiam fazer muito mais para estimular outros do que apenas falar, mas não querem e por falta de interesse acabam não sendo sinceros e transparentes com os demais. Se resumir a falar quando você pode fazer muito mais pelas pessoas, é uma atitude que não considero honesta. Há muita gente sendo iludida por discursos animadores, quando o que precisam não é de grandes pregações e mensagens, mas de oportunidades concretas.
Há uma verdade que diz: devemos esperar o melhor, mas se preparar para o pior. Tenho visto algumas pessoas decepcionadas por que não conquistaram nada e resumiram sua vida a uma única atividade da qual não tiveram o retorno almejado. Portanto, minhas sugestões para evitar futuras frustrações são:

1. Defina metais graduais! Evite estabelecer de início uma meta muito difícil de alcançar. Aumente o grau de dificuldade de seus sonhos á medida em que você conquista outros menores.

2. Seja transparente e exija transparência! Infelizmente, muitas pessoas manipulam as Escrituras para gerar motivação em outras sem deixar claro algumas verdades ministeriais importantes.

3. Não se dedique apenas a uma tarefa em sua vida! Tenha mais de uma atividade: curso, família, trabalho, igreja, viagens, lazer, etc.

4. Não gere uma dependência profunda das pessoas! Seja original e construa novos caminhos! Fazer o que todo mundo já fez e dizer o que todo mundo já disse, levará você a um estado de rotina e repetição muito chato e cansativo! Descubra seus talentos e explore-os!

5. Esqueça os equívocos do passado e caminhe prá frente! Veja o que Deus falou através do profeta: Não vos lembreis das coisas passadas, nem considereis as antigas. Eis que faço coisa nova, que está saindo à luz; porventura, não o percebeis? Eis que porei um caminho no deserto e rios, no ermo. (Is 43.18,19)

6. Pense bem antes de se comprometer com alguma coisa! Veja quais são as exigências e o esforço que será necessário empreender. Nem todos estão dispostos a suportar qualquer coisa para crescer em alguma lugar!

Chega um tempo em nossa vida que promessas e palavras não tem mais efeito. Há um momento para cada coisa: o de fazer promessas e o de cumpri-las, o de almejar, desejar, planejar e o de viver o que se almejou, o tempo de sonhar e o de viver o que se sonhou! Quando chega o tempo de viver e de realizar, algumas pessoas insistem em voltar para o tempo das promessas, sonhos e visões! Se você não viver a coisa certa no tempo certo, inevitavelmente ficará desanimado e não será culpa sua, pois a esperança que se adia faz adoecer o coração, mas o desejo cumprido é árvore de vida (Pv 13.12). Atualmente, muitas pessoas ficam desestimuladas e desmotivadas não por sua culpa, mas por que foram vítimas. Porém, há uma cultura no Brasil de sempre responsabilizar a pessoa pelo estado em que ela se encontra. Jamais a culpa é de quem está ‘em cima’, é sempre de quem está ‘em baixo’. ‘Rarississimamente’ alguém ‘de cima’ reconhece e admite seus erros para com aqueles ‘de baixo’.
O fato é simples: se chega o tempo de casar e você insiste em permanecer solteiro, ficará desanimado! Se chega o tempo de trabalhar e você insiste em continuar estudando, ficará desestimulado. Se chega o tempo de atuar no ministério e você insiste em ficar só no discipulado, ficará desanimado. Se chega o tempo de subir no palco e você insiste em permanecer na plateia, ficará desanimado. Se chega o tempo de liderar e você continua sendo liderado, ficará desanimado. Se chega o tempo de avançar e você permanece no mesmo lugar, ficará desanimado! O curioso é ver algumas pessoas culpando outras por estarem desmotivadas. No lugar de fazer alguma coisa por elas, a única coisa feita é acusação. Há milhares de pessoas atrasadas no ministério e por isso estão desestimuladas. No lugar de receber uma oportunidade digna, receberam mais e mais promessas e embromações. Nada de concreto! Lamento muito por aqueles que não são transparentes o suficiente para evitar que outros fiquem tão frustrados com tanta frequência!
Diante dessa realidade, sugiro a todos que evitem o mundo da fantasia e das ilusões. Há muita gente se alimentando disso e as frequentes frustrações e decepções não param de ocorrer. Se eu tivesse sido devidamente preparado jamais teria vivido no mundo da fantasia. No lugar de ser o pessimista que reclama dos ventos  ou o otimista que aguarda sua mudança  seja o realista que ajusta as velas! Mantenha sua cabeça nas nuvens somente se os seus pés estiverem bem firmados no chão. Isso evitará danos de uma possível queda!


Um abraço a todos!

Marconi BS Costa

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

“Troféu” promessas



O “Troféu”promessas, evento da música gospel recentemente promovido pela rede Globo, gerou uma série de polêmicas entre os cristãos. Alguns criticam o simples fato da polêmica existir como se tal evento fosse a maior e mais brilhante oportunidade de pregar o Evangelho. No entanto, uma análise imparcial pode trazer à tona algumas verdades inconvenientes.
Sempre torci e continuo torcendo e vibrando com o crescimento da igreja evangélica no Brasil. Acredito que chegou a vez da América Latina para os grandes avivamentos mundiais e que o Brasil ocupa lugar de destaque neste cenário trazido pelo Espírito de Deus. No entanto, me preocupo com o rumo que algumas coisas estão tomando.
Indiscutivelmente, está na moda ser crente e o impetuoso crescimento do universo gospel está invadindo o nosso amado país. Porém, devemos levar em conta que o que está na moda não é a santidade, a oração, o amor, a honestidade, a transparência, a humildade, a caridade, a simplicidade, etc. (é preciso ser muito tolo para acreditar que os genuínos valores cristãos estão na moda nesse movimento gospel). O que está na moda é um mercado altamente lucrativo no qual as empresas seculares estão muito interessadas! E não são apenas as empresas seculares, as indústrias cristãs também não querem perder a fatia gorda do bolo! Portanto, não deve o cristão pensar que o simples fato do número de evangélicos crescer no país significará benefícios à nação. Se os princípios do Reino de Deus estiverem no centro desse crescimento e for o alicerce desse avanço, então o resultado pode ser bastante positivo. Porém, a história parece outra!
É sabido há séculos que a Globo ridiculariza frequentemente dos evangélicos em suas principais programações. Nunca um evangélico ou mesmo um conceito genuinamente cristão foi exposto de forma decente por esta emissora. Por outro lado, sempre que um católico ou um espírita aparece nas programações globais, ambos são exibidos de forma coerente, inteligente, serena, equilibrada e gentilmente atraente. A apologia ao catolicismo e ao espiritismo é intensa e maciça. Logo, qual seria a intenção da emissora no universo gospel?
Num momento estratégico em que a rede Record teve sua audiência abalada por causa das reportagens maldosas sobre evangélicos, a Globo sai na contramão e se aproxima do mercado go$pel! Já está claramente comprovado que os evangélicos do Brasil podem erguer ou derrubar a audiência de qualquer emissora. São mais de 50 milhões e muitos outros milhões estão por vir!  O interesse global, é claro, está na audiência e na grana que esse contingente pode proporcionar! Jamais a emissora demonstrou qualquer inclinação à pregação genuína do Evangelho. Porém, um show gospel é muito mais atraente para suas estratégias. Confesso que já fui para um show evangélico e nunca mais pretendo ir prá outro! A quantidade de carnalidade que se presencia nos faz duvidar se o que está sendo feito é de fato cristão!
Agora surge a pergunta inevitável: a intenção da Globo é relevante? Tendo em vista que tal evento pode ser usado como oportunidade prá pregar o Evangelho de Cristo, os interesses globais importam? A resposta não é absoluta! Se o verdadeiro Evangelho de Cristo for anunciado de forma pura e genuína, então podemos dizer que a intenção da Globo não importa. Contudo, se o que se vê é apenas um festival de exibicionismo, vendas de material, lucros, dinheiro, vaidade, etc. então devemos nos preocupar (II Co 2.17).
Levando em consideração que dinheiro, luxo, fama, cargo, poder, influência, controle, ostentação, vaidade, popularidade, etc. são coisas que estão embriagando a igreja e cegando o seu entendimento, estes “troféus” podem ser perigosos, pois tira do foco a Pessoa adorada e põe o adorador no centro das atenções. Observando com cuidado o alto padrão de vida que muitos ministros e cantores do Evangelho buscam freneticamente, podemos afirmar com razoável precisão que eventos dessa natureza contribuem mais para glória humana do que para exaltação divina. Se tivéssemos dignidade suficiente e não buscássemos sair do anonimato tão desesperadamente, os evangélicos dariam uma grande lição à rede Globo e só passariam a dialogar com ela depois que tivéssemos o devido respeito e reconhecimento. Infelizmente, a coisa mais fácil do mundo é comprar os evangélicos com eventos, shows, cargos, dinheiro, posição, glória e outros artifícios desprezíveis.
Infelizmente, o que a Globo oferece coincide com os interesses de muitos líderes cristãos: a tão sonhada visibilidade global! Olhar para toda essa situação e não enxergar nada disso só é possível em dois casos: para o ingênuo ou para aquele que se faz de ingênuo. Os ingênuos puros de coração não têm culpa, pois não aprenderam ainda que a simplicidade da pomba deve ser acompanhada da prudência da serpente (Mt 10.16), os quais acabam desconsiderando outros princípios bíblicos (At 17.10-12; At 20.29,30; Rm 16.17,18; I Co 14.20; II Co 11.13-15; I Jo 4.1-3). Mas aqueles que se fazem de ingênuos são covardes, interesseiros, mentirosos e fingidos. São covardes por que não se posicionam, interesseiros por que estão visando alguma vantagem futura, mentirosos por que expressam pensamentos, opiniões e convicções que de fato não possuem e fingidos por que assumem uma postura no contexto eclesiástico e outra no contexto pessoal (II Co 6.6; Tg 3.17).
É preciso considerar que há equívocos que fazem parte do nosso ponto de vista pessoal, mas também há outros que fazem parte de agentes externos. Criar um mundo perfeito de fantasia no qual toda igreja é santa, pura e honesta, é uma alucinação que pode custar caro quando se depara com a realidade. Supor que o pecado está sempre na maneira como enxergamos as coisas e nunca em como as coisas realmente são, não é espiritualidade e nem ingenuidade, é tolice e faz de conta. Esse tipo de ilusão é criada e alimentada para camuflar a realidade e tirar o foco da verdade. Em nenhum lugar do Evangelho somos encorajados a viver uma vida de fingimento e hipocrisia. Veja como Paulo confrontou Pedro quando percebeu que o comportamento deste se tornou reprovável (Gl 2.11-14). Veja também como Pedro reagiu quando as pessoas estavam sendo tratadas com parcialidade (At 6.1-7). Veja como o profeta Natan se posicionou com o pecado de Davi (II Sm 12.1-15). Fingir que a igreja não estava sendo tratada com parcialidade ou fingir hipocritamente que Pedro não estava errando seria uma tolice. Paulo jamais se acovardaria como muitos da atualidade. Crescimento não vem quando acertamos, o crescimento resulta quando localizamos, reconhecemos e corrigimos os nossos erros e equívocos (Fl 3.12-16).
A Bíblia não esconde as mazelas de ninguém! Veja os seguintes exemplos: Davi (II Sm 11), Sansão (Jz 16), Saul (I Sm 22.6-19; 28), Salomão (I Reis 11), etc. Portanto, se a igreja deseja pregar o Evangelho na rede Globo, então que faça o seguinte: compre um horário definido e então pregue o genuíno e verdadeiro Evangelho. Porém, duvido que a Globo queira vender um horário para a verdadeira divulgação do Evangelho de Cristo. No fundo, creio que isso vai acontecer por obra do Espírito Santo! Não sou contra o “troféu” promessas, sou contra a postura da igreja que mais parece um mendigo desesperado por migalhas. A igreja precisa da Globo para divulgar o Evangelho? O crescimento do Evangelho no Brasil em algum momento dependeu da Globo? A verdadeira igreja de Cristo deixou de avançar por que a Globo não deu apoio? Acredito que a oposição e a perseguição são mais eficientes para o avanço da igreja. Uma parceria com a Globo pode ser muito perigoso. Sempre que o mundo se aproxima da igreja, a igreja sai perdendo. Em que sentido o "troféu" promessas poderia ser útil? SERIA ÚTIL SE A IGREJA USASSE O "TROFÉU" E NÃO QUANDO O "TROFÉU" USA A IGREJA!


Um abraço a todos.

Marconi BS Costa

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Fundamentalista?




Numa tentativa de denegrir os verdadeiros cristãos que lutam em favor da família e dos valores éticos e morais, os ativistas gays usam com frequência o termo fundamentalista para rotular os que se opõem à sua agenda ditatorial. Essa estratégia visa minar a credibilidade da verdadeira igreja que assume uma postura digna do Evangelho e não se omite nas questões relevantes à sociedade.
A referência ‘fundamentalista’ faz uma alusão imediata aos terroristas islâmicos que cometem crimes bárbaros contra pessoas inocentes ao redor do mundo. A relação é totalmente injusta e desonesta e acaba levando os incautos a assumirem que os verdadeiros cristãos pensam de modo similar aos terroristas e querem estabelecer no Brasil uma atmosfera de terror contra homossexuais e demais brasileiros.
Os verdadeiros cristãos jamais aceitarão uma ditadura e nunca irão estabelecer uma. O fato concreto é que os verdadeiros cristãos não são covardes para se omitirem quando os ativistas querem aprovar leis esdrúxulas em seu favor e criar no país uma casta com privilégios que ninguém possui. Nós os verdadeiros cristãos, possuímos de fato um fundamento do qual jamais abriremos mão. Somos fundamentalistas sim, mas não como os terroristas islâmicos. Segundo o apóstolo Paulo, ninguém pode lançar outro fundamento, além do que foi posto, o qual é Jesus Cristo (I Co 3.11). Estamos fundamentados no Senhor Jesus Cristo e em Seus ensinamentos! Jesus jamais negociaria Seus princípios em nome de um “amor” que não provoca mudanças na vida do pecador. É baseado n’Ele e em Sua Palavra que assumimos uma postura firme em defesa da ética, moral e da família.
Estamos fundamentados na verdade e pureza do Evangelho, na santidade, na justiça, no amor, na transparência, na honestidade, na dignidade, etc. Esses são os nossos fundamentos! Não somos ditadores, nem terroristas, nem opressores, nem tiranos, etc. Para rejeitar e se opor à ditadura gay, não precisa ser nada disso, basta ser inteligente. É por isso que considero desonesta a forma como os ativistas nos classificam. O leitor deve estar atento a estas artimanhas e perceber que a proposta de Deus para a família é muito mais saudável do que a proposta humana.
O amor de Cristo jamais aprovará o pecado mesmo entendendo a situação do pecador. Jesus sempre se aproximava dos pecadores de sua época e o resultado que obtinha era o arrependimento deles. Em nenhum lugar da Bíblia vemos o Mestre incentivando os pecadores a permanecerem na vida de pecado. Sua Palavra sempre produzia e resultava na correção e no ajuste do caráter dos indivíduos. Portanto, é mentiroso o argumento que diz que o amor de Cristo não corrige (II Co 5.14-17; Hb 12.6-11)! A perfeita vontade de Deus é que o homem abandone a vida de pecado, arrependa-se e viva de acordo com a Sua vontade expressa em Sua Palavra (Mt 3.8). É nisso que estamos fundamentados!

Um abraço a todos.

Marconi BS Costa

domingo, 2 de dezembro de 2012

O Inimigo




Apesar de antiga, a música ‘O Inimigo’ de DJ Alpiste é formidável e dificilmente deixará de ser atual. Ela consegue descrever com precisão algumas das estratégias mais frequentes que Satanás usa para afastar as pessoas da verdade do Evangelho. Pense sobre o seu conteúdo e indique para um amigo!

O vídeo que segue anexo ao texto não está a altura da música, mas é útil para ilustração.


O Inimigo (DJ Alpiste)

Se você não me conhece não vou me apresentar
Tem sido assim, pra que mudar
Não gosto de aparecer, não sou bonito
Tem gente até que pensa que eu não existo

Mas vamos logo ao que interessa
Se você não está pronto não tenho pressa
Minha intenção é levar você comigo
Me faço de santo, mas sou seu inimigo

Sei mentir muito bem e enganar também
Posso até te ajudar quando me convém
Minha missão é roubar, matar e destruir
Acabar com sua vida, te possuir
 
Só existe uma coisa capaz de me deter
Apenas um nome que tem muito poder
que aliado a uma fé sobrenatural
Se transforma em uma arma letal
Contra isso minha mentira vem a calhar
Sou capaz de tudo pra te enganar
Até num anjo de luz posso me transformar
Tudo isso pra você em mim acreditar

Fica esperto seu tempo está acabando e o fim está chegando, chegando

Príncipe das trevas, diabo ou satanás
Lúcifer, belzebu, tanto faz
Escolha um nome, o que você quiser
Escolha um rosto, pode ser um de mulher
 
Escolha um carro, mas escolha o mais caro
Peça o que quiser, deixa comigo eu pago
Dinheiro prá mim não é problema
Posso te dar tudo dentro do meu esquema
 
E quando a neurose te pegar
Você tem uma arma é só puxar
Descarregue sua ira em alguém
Porque isso pode te fazer bem
 
Ou um copo cheio de bebida
Num prato vazio de comida
A branca pura te abraçou
Aquilo que você dominava te dominou
E você gosta cada vez mais
Tô sugando sua vida, tirando sua paz
Eu sei que vou morrer, mas você vai comigo
Muito prazer, eu sou seu inimigo

Fica esperto seu tempo está acabando e o fim está chegando, chegando

Meu prazer é ver você destruído
Pois um dia do céu eu fui banido
A terra agora é meu campo de batalha
Aqui minha mentira se espalha
 
Pois você é incrédulo e inseguro
Sua fé está sempre em cima do muro
Foi por isso que eu criei a religião
Pra você achar que todo pastor é ladrão
 
E o dinheiro que o povo dá na igreja
Você gasta bem melhor tomando cerveja
Sou capaz de tudo pra te afastar da luz
Pra que você nunca conheça a Jesus
 
Nunca aceite o seu sangue derramado
Nunca conheça o perdão dos seus pecados
E por toda a vida vai ser sempre cego
Cultivando cada vez mais o seu ego
 
A menos que um dia conheça a verdade
Vão chamar você de louco por toda cidade
Pensando bem é melhor ficar comigo
Muito prazer eu sou seu inimigo

Fica esperto seu tempo está acabando e o fim está chegando, chegando



Um abraço a todos.


Marconi BS Costa

Tem alguém aí?




O texto abaixo é a letra de uma música de Gabriel o Pensador. É muito raro eu indicar uma canção sem vínculo explícito com o Evangelho, mas reconheço que em muitos casos, a inspiração divina alcança pessoas menos prováveis. É possível ver a inspiração divina nas artes, na poesia, na música, nos esportes, na ciência, etc.

Neste exemplo, a música de Gabriel cita alguns aspectos pertinentes quando se pensa numa sociedade que é cheia de delinquentes. Alguns fatos como ausência dos pais, busca por aceitação e os efeitos nefastos das drogas são abordados na música. Além do texto, segue também o clip que reforça e muito o conteúdo da mensagem da música.
 


Tem alguém aí?
Gabriel o Pensador

Zero, Um, Dois, Três, Quatro!

Antes era só alegria, o mundo não mordia.
A vida era doce, nem ardia!
Mas aí um dia, ou quem sabe dois ou três, eu... só queria superar a timidez...
Eu queria fazer parte de alguma coisa.
Se crescer já é difícil, crescer sozinho é mais.
A gente tem que dar um jeito de gostar de alguma coisa.
A gente tem que dar um jeito... de ficar satisfeito!
Mas o tempo passa, e se a vida é sem graça, a gente disfarça na mesa do jantar.
Pra depois tentar desabafar numa conversa, mas ninguém se interessa, na mesa do bar!

Ninguém tá escutando o que eu quero dizer!
Ninguém tá me dizendo o que eu quero escutar!
Ninguém tá explicando o que eu quero entender!
Ninguém tá entendendo o que eu quero explicar!

Conversa vazia, cabeça vazia de prazer, cheia de dúvida e de vontade de fazer qualquer loucura que pareça aventura.
Qualquer experiência que altere o estado de consciência.
E que te dê a sensação de que você não tá perdido.
Que alguém te dá ouvidos. Que a vida faz sentido!
Chega! Não, eu quero mais!
Bebe, fuma, cheira, tanto faz.
Droga é aquela substância responsável por tornar a sua vida aparentemente mais suportável.
Confortável ilusão: parece liberdade e na verdade é uma prisão.


Ninguém tá escutando o que eu quero dizer!
Ninguém tá me dizendo o que eu quero escutar!
Ninguém tá explicando o que eu quero entender!
Ninguém tá entendendo o que eu quero explicar!

Ninguém prepara o jovem, nem os pais nem a TV, pra botar o pé na estrada e não se perder.
Ninguém prepara o jovem pra saber o que fazer quando bater na porta e ninguém atender.
Ninguém me dá a chave pra abrir a porta certa, mas a porta errada eu encontro sempre aberta!
Entrar numa roubada é mais fácil que sair.
Tem alguém aí? (...)
Tem alguém aí ou saiu pra viajar?
Tem alguém aí ou saiu pra passear?
Você tá viajando?
Quando é que você volta?
Onde você quer chegar?

Ninguém tá escutando o que eu quero dizer!
Ninguém tá me dizendo o que eu quero escutar!
Ninguém tá explicando o que eu quero entender!
Ninguém tá entendendo o que eu quero explicar!

Eu sei que depende, mas se você depende da droga ela é a falsa rebeldia que te ajuda se enganar - a mentira que vicia - porque parece bem melhor do que a verdade do outro dia.
Falsa fantasia é a droga, que parece mais real do que esse mundo de hipocrisia que te afoga!
A droga é só mais uma ferramenta do sistema, que te envenena e te condena.
Overdose de veneno só te deixa pequeno!
Muito álcool, muito crack, muita coca!
A vida te sufoca!
E vai batendo a onda, a onda bate a onda soca!
A onda bate forte!
Apressando a morte feito um trem.
Você sabe que ele vem, mas se amarra bem no trilho, suicida!
A doença tem cura pra quem procura.
Pra quem sabe olhar pra trás nenhuma rua é sem saída.

Ninguém tá escutando o que eu quero dizer!
Ninguém tá me dizendo o que eu quero escutar!
Ninguém tá explicando o que eu quero entender!
Ninguém tá entendendo o que eu quero explicar!


Um abraço a todos.

Marconi BS Costa

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Fé, religião ou superstição?







Uma das melhores maneiras de dizer o que a fé é, é dizer o que ela não é. Frequentemente se confunde a natureza da fé com práticas religiosas inúteis ou com superstições banais. A substância da fé nada tem a ver com religião ou com superstição. O exemplo bíblico do Novo Testamento que melhor descreve a fé em seu nível supremo destaca um soldado romano como protagonista (Lc 7.1-10), o qual nada tinha de religioso ou supersticioso. É uma enorme ilusão pensar que são atitudes de fé esfolar os joelhos numa escadaria ou pedir a benção do pastor para fazer uma viagem! Tanto no meio católico quanto no evangélico é possível identificar um número de práticas supersticiosas e religiosas, ambas inúteis ao desenvolvimento sadio da fé. Antes de citá-las, vamos esclarecer o que a fé não é.

FÉ NÃO É emoção, empolgação, euforia, superstição, religião, cerimonialismo, rituais, tradições, autocomiseração, sensacionalismo, autoflagelação ou coisas semelhantes a estas! A melhor definição de fé que encontrei fora das Escrituras mas em harmonia com Ela, foi nas palavras do irmão Smith Wigglesworth. Ele disse: “O que é crê? Crê é confiar no que o Senhor disse a ponto de aceitar Sua Palavra somente por que Ele a disse”. A definição bíblica da fé em Hb 11.1 faz mais sentido prá mim em 3 traduções em particular:

Católica: A fé é um modo de já possuir aquilo que se espera, é um meio de conhecer realidades que não se veem.
NTLH: A fé é a certeza de que vamos receber as coisas que esperamos e a prova de que existem coisas que não podemos ver.
VIVA: QUE É A FÉ? É a convicção segura de que alguma coisa que nós queremos vai acontecer. É a certeza de que o que nós esperamos está nos aguardando, ainda que o não possamos ver adiante de nós.

Toda essa certeza envolvida na definição de fé tem somente um fundamento: a Palavra de Deus! Mesmo sem nenhuma demonstração palpável, tangível e visível, a fé se expressa e se sustenta naquilo que Deus diz  e não no que Ele faz! É claro que é possível basear a fé no que Deus faz (Jo 4.48), porém o ensino bíblico nos encoraja a apoiar nossa fé no que Ele diz. A máxima de Tomé coincide perfeitamente com essa verdade: “Disse-lhe Jesus: Porque me viste, creste? Bem-aventurados os que não viram e creram” (Jo 20.29). “Não ver” significa não tocar, não provar, não sentir, não observar, não contemplar! Neste cenário em que os sentidos naturais são inúteis, o exercício da fé se enquadra com perfeição. De acordo com o apóstolo da fé (Paulo), a fé vem pela pregação, e a pregação, pela palavra de Cristo (Rm 10.17). Ora, a pregação está relacionada com falar e ouvir, dar e receber. A vontade de Deus é que Sua Palavra seja suficiente para nós a tal ponto que não exigiremos nenhum tipo de demonstração do Seu poder para passarmos a confiar n’Ele. Sua Palavra é suficiente! É o fundamento, o alicerce, a estrutura, a base, o chão, o apoio sobre o qual nossa fé está arraigada. Contudo, para que a Palavra de Deus se torne em nossa vida tudo o que Deus planejou que Ela fosse, é necessário desenvolver íntima comunhão pessoal com o Criador. É precisamente nesse aspecto que as pessoas preferem a religião e a superstição!

É muito mais fácil ser uma pessoa religiosa e supersticiosa do que ser uma pessoa de fé. Coincidentemente, isso é conveniente para os sistemas religiosos humanos. Uma vez que a maior parte da liderança evangélica brasileira está interessada apenas em manter as pessoas dependentes, o verdadeiro ensino bíblico da fé acaba sendo abandonado por crendices, tradições e supertições. Além de ser mais fácil manter o controle, essa estratégia também ajuda a manter a casa cheia (por fora, mas vazia por dentro). Uma fé amplamente desenvolvida e amadurecida permite ao cristão ir direto à fonte (Cristo – Gl 3.28,29; Cl 3.11) sem a necessidade de mediadores. Este é o verdadeiro papel daqueles que possuem um chamado ministerial no Corpo de Cristo, segundo as palavras do apóstolo Paulo (Ef 4.11-14). No entanto, promover o desenvolvimento espiritual da igreja pode não ser conveniente para aqueles que só buscam o controle excessivo e desequilibrado, o que compromete o aperfeiçoamento da fé. Por esta razão, muitas atividades religiosas e supersticiosas se perpetuam na igreja com o fim de manter as pessoas entretidas, dependentes e escravas. O verdadeiro crescimento exige muito mais!

A maturidade necessária à fé exige disciplina e perseverança. Segundo o apóstolo Pedro, o aprimoramento da fé requer profunda associação com amor, diligência, virtude, conhecimento, domínio próprio, piedade, perseverança, fraternidade, etc. Tudo isso é necessário para a consolidação da fé (II Pe 2.5-11). É praticando estas coisas que se pode oferecer um ambiente favorável à fé, como um adubo para uma planta. Mas o que se observa em muitos lugares é uma tentativa de ocultar estas verdades. Quando o objetivo das pessoas é apenas manter um lugar cheio de gente, basta apenas oferecer um ambiente de entretenimentos e distrações. Acrescente a isso pequenas doses de superstições e rituais religiosos, e o resultado será a manutenção ou inchaço. Porém, a verdadeira fé NÃO PODE SER EQUIPARADA COM ESSAS TÁTICAS. A fé nos transforma em bois selvagens, não em escravos (Sl 92.10).

Como posso amadurecer minha fé? OUVINDO! Todavia, não é ouvindo qualquer coisa! Nos dias atuais parece raro ouvir uma ministração isenta e descomprometida de sistemas religiosos (I Sm 3.1). Praticamente tudo o que é pregado e ensinado atualmente é visando tirar possíveis vantagens do povo que irá praticar o que escuta. Os ministros da atualidade não pregam mais torcendo pela igreja, mas visando tirar proveito dela. Portanto, seja seletivo na hora de ouvir boas mensagens. Procure não adotar ninguém como “papa”, Deus não é centralizador. Há bons ministros espalhados por várias igrejas no Brasil. Procure devorar as Escrituras humilhando-se diante de Deus para receber revelações de Sua Palavra que alimentarão sua fé e nutrirão seu espírito (Sl 119.18).

Lembre-se: a fé genuína não é pelos olhos, é pelos ouvidos. Não baseie sua fé em superstições e religiosidades, isso deixará seu espírito faminto! A vontade de Deus é que Sua Palavra seja suficiente para o nosso descanso. Para ter uma estrutura sólida na fé, é preciso ir direto à fonte. É claro que isso envolve oração, meditação, comunhão (com Deus e com os irmãos), leitura, frequência nos cultos, etc. Porém, sem transformar tudo isso em “amuletos da fé”. Portanto, direcione sua dedicação para a fonte certa, a Palavra de Deus e procure conhecê-La. Transforme-a em seu alimento diário e não num bolo para ocasiões festivas. Fazendo assim, provavelmente você irá crescer e não será supersticioso e nem religioso! Provavelmente!

Um abraço a todos.

Marconi BS Costa

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

A música profética




O texto abaixo é do pastor Bené Gomes. Seu conteúdo é simplesmente admirável, útil e prático. Com maestria, o pastor Bené desmistifica o real sentido do louvor profético e apresenta uma definição extremamente clara, coerente e produtiva para os dias atuais. Depois de mais de 15 anos de Evangelho, esta é a primeira vez que vejo um conceito satisfatoriamente preciso sobre o significado do conteúdo profético que o louvor carrega. Sempre que ouvia ou lia algo sobre o assunto, tinha uma clara impressão de misticismos e superficialidades em volta do tema. No meu ponto de vista, o pastor Bené encerra a questão de forma definitiva. Segue abaixo seu excelente texto.


A música profética


A música profética é aquela que traz a manifestação da presença de Deus para o cumprimento de um propósito que Deus estabeleceu para aquele momento! Pode ser cantada ou somente instrumentada. E ela será ou não profética baseada na sensibilidade espiritual de quem a executa. Essa música visa gerar um ambiente de liberdade para o Espírito Santo agir.

Três elementos definem a unção que se manifestará nessa música profética. O Caráter do músico, o foco espiritual e a excelência musical.


O CARÁTER

O  caráter fala do fruto do Espírito praticado diariamente. O caráter de Jesus, que é o que queremos evidenciar na nossa prática de vida, é o fruto do Espírito. Todo aquele que nasceu de novo pelo arrependimento se tornou uma nova criatura em Cristo, um filho de Deus e um cidadão do reino de Deus. Este reino tem a sua própria cultura, seus princípios, valores e conceitos. A maneira de pensar e agir de um cidadão do reino de Deus, não tem mais nada a ver com a maneira de pensar e agir de um cidadão do reino deste mundo. Jesus disse claramente em Jo.18:36 “…O meu reino não é deste mundo…”, fazendo uma distinção clara entre os dois reinos. Paulo garante que todos nós pertencíamos ao império das trevas, que é o reino deste mundo. Éramos cidadãos desse reino, mas pela graça de Jesus, fomos libertados desse reino, o reino desse mundo, e transportados para o reino do filho do seu amor, que é o reino de Deus. Essa experiência acontece pela fé na graça que nos foi disponibilizada em Cristo Jesus. 

Como cidadãos do reino, temos compromissos com novos valores, como por exemplo, a integridade. Em Ef.4:28a “Aquele que furtava não furte mais…”. É assim que devem ser os cidadãos desse novo reino, íntegros, honestos. E é assim com muitos outros valores como a fidelidade conjugal, o perdão, a generosidade, a transparência, a não mentira, a não indiferença, a linguagem sadia não obscena, a liderança servidora, a humildade e tantos outros valores que só podem ser praticados por quem tem o Espírito Santo no controle de sua vida. Esse é o cidadão do reino. E esse é o caráter de Cristo!


O FOCO ESPIRITUAL

O foco espiritual fala do compromisso que o músico precisa ter com a busca da presença de Deus no seu dia a dia. Eu falo sobre ser fervoroso no seu espírito e estar sempre cuidando para que essa chama não se apague. Muitos se distraem e esquecem de continuar exercendo o sacerdócio, que representa a busca intensa da presença de Deus diariamente. O sacerdote no antigo testamento tinha que trazer lenha ao altar todas as manhãs e todos os dias. Essa era a única maneira da chama não se apagar, do fogo não se extinguir. Lv.6:12,13. É disso que eu estou falando ao me referir a esse foco espiritual. A própria música pode ser um instrumento de entretenimento ao se tornar um fim em si mesma. No reino de Deus a música não é um fim, mas um meio, um canal, um veículo para se cumprir propósitos do coração de Deus. Deus usa a música, Deus usa os músicos, para cumprir seus planos e propósitos, para firmar as pessoas na comunhão com ele.

Devido à sua enorme exposição, o músico precisa ser necessariamente, um homem de oração como o é o pregador da Palavra, que traz a palavra nas reuniões da igreja. Quanto maior for a exposição, mais foco se requer e mais dependência de Deus. Todo músico é um sacerdote e ao mesmo tempo um profeta. Lembre-se que estamos falando da música profética, aquela que traz a manifestação da presença e da glória de Deus. Como músicos precisamos manejar bem a Palavra de Deus. Conhecer a Deus é necessariamente conhecer a Sua Palavra. O músico que conhece a Palavra sabe, por exemplo, que ao tocar, ele não está simplesmente exercendo um dom musical, mas preparando ambiente para Deus agir.  Eliseu buscou um músico que ao tocar, gerasse um ambiente espiritual capaz de sintonizar o profeta com a Palavra de Deus para aquele contexto em que estava vivendo (2Rs.3:15). Josafá ordenou que os músicos e cantores estivessem a frente dos armados na guerra contra os Amonitas e Moabitas em 2Cr.20:21. Davi separou músicos para o ministério afim de que profetizassem com os seus instrumentos (1Cr.25:1). Tudo isso está na Palavra. O músico precisa conhecer a Palavra para manter o seu foco espiritual em Deus. Quanto mais o músico conhecer a Palavra, mas ele poderá ser usado profeticamente.


PRINCÍPIO  DA  EXCELÊNCIA

O músico pra ser profético precisa entender e praticar o princípio da excelência. Temos inúmeros exemplos na Bíblia de homens que foram usados por Deus por serem muito bons naquilo que faziam. Quero dar pelo menos 3 exemplos:

(1) 1Cr.15:22 nos fala de um homem chamado Quenanias, que era entendido, perito em dirigir o canto na casa de Deus e que por isso foi levantado por Davi para esse fim.

(2) Pv.22:29 nos fala de uma pessoa qualquer que se torna perito na obra que faz, e que por causa dessa excelência com que faz as coisas, será colocado diante dos reis da terra. Ou seja, estarão nos palácios e lugares altos da terra. E o grande nome a ser citado aqui é o de José filho de Jacó, que com o seu dom de interpretar sonhos, acabou evidenciando o seu dom maior de administração com excelência. José tinha muita perícia na arte de administrar bem! E por causa disso Faraó o estabeleceu como o governador de toda a terra do Egito (Gn.41:39-41).

(3) Dn.6:3 nos fala de um outro grande exemplo de excelência, o profeta Daniel. Como havia nele um espírito excelente, ele sempre se distinguia dos demais, ao ponto do rei Dario pensar em estabelecê-lo sobre todo o reino.

Davi nos encoraja a tocar bem, a tocar com arte (Sl.33:3). É isso que precisamos incentivar os músicos a fazerem. Quanto mais bem preparados musicalmente, mais ferramentas estamos colocando nas mãos de Deus pra ele usar. O apóstolo Pedro por ser inculto e iletrado, não deixou de ser usado por Deus, mas com certeza se tivesse um nível de conhecimento maior, poderia ser mais usado ainda. O apóstolo Paulo é um exemplo a ser seguido, de um homem que conhecia e falava vários idiomas,  que tinha uma cultura vastíssima,  e não sem razão acabou se tornando o escritor da metade do novo testamento. É claro que não é a cultura, a sabedoria humana e os dons, a razão pela qual Deus usa alguém. Deus usa alguém que anda com Ele, que tem o fruto do Espírito em sua vida, e que o busca de todo o coração. Mas, se além disso, a pessoa ainda tem um espírito de excelência, com certeza o impacto será bem maior, podem ter certeza disso.

Músicos, paguem o preço estudando e se esmerando em ser cada vez mais hábeis e talentosos. O treinamento é imprescindível para a excelência. E quando falo de treinamento, falo de exercícios repetidos quase que à exaustão. Não é fácil se tornar perito no que se faz, mas não há outra maneira para se alcançar a excelência. O que nos encoraja é que agindo assim e perseverando nessa prática, logo colheremos os frutos. Todo mundo busca quem é realmente bom no que faz!


Fonte:


Um abraço a todos.


Marconi BS Costa